EZTEC na Mídia

SÃO PAULO - A Planner divulgou sua carteira recomendada para o mês de novembro. Em comparação com outubro, o portfólio traz duas alterações. Os papéis de Cesp (CESP6) e CSN (CSNA3) cedem lugar às ações de Tractebel (TBLE3) e Usiminas (USIM5).

"As esperanças de agitação nos negócios em Bolsa estavam numa possível reviravolta de José Serra na reta final das eleições para presidente, já manifestadas por valorizações pontuais em Eletrobras, Banco do Brasil e Petrobras, diante de uma maior liberdade assistida nas estatais. Isso não veio e agora é esperar a composição da equipe econômica e ministérios de Dilma Rousseff. Não se espera surpresas, mas é bom ficar atento", afirmou a equipe da corretora.

Desempenho anterior

No mês anterior, a carteira sugerida registrou valorização de 2,88% contra alta de 1,79% do Ibovespa. Já no acumulado de 2010, a valorização foi de 6,37% ante alta de 3,03% do benchmark.

Confira o portfólio sugerido para novembro:

Empresa Código Preço-alvo* Upside** Peso
Tractebel TBLE3 R$32,04 28,1% 7,0%
Banco PanAmericano BPMN4 R$13,10 162,5% 5,0%
CCR Rodovias CCRO3 R$46,00 0,8% 10,0%
Cosan CSAN3 R$34,50 23,2% 7,0%
EZTEC EZTC3 R$17,50 43,7% 7,0%
Itaú Unibanco ITUB4 R$45,30 7,9% 7,0%
OGX OGXP3 R$30,50 46,3% 12,0%
Pão de Açúcar PCAR5 R$69,00 1,0% 7,0%
Petrobras PETR4 R$41,00 53,5% 10,0%
Usiminas USIM5 R$31,04 37,7% 9,0%
Vale VALE5 R$52,50 5,0% 11,0%
Vivo VIVO4 R$61,00 15,1% 8,0%

*Preço-alvo para 12 meses

**Com base na cotação de fechamento do dia 11 de novembro

Ações

A exclusão das ações da Cesp explica-se pela expectativa de volatilidade. A equipe de análise mantém, porém, a recomendação de compra no longo prazo, já que a empresa passa por um processo de redução de endividamento e a atual valorização do real deve favorecer a redução com despesas financeiras.

Já a CSN teve seus papéis excluídos da carteira em novembro porque o resultado da empresa no terceiro trimestre ficou abaixo das expectativas. O mau desempenho está relacionado a encargos de empréstimos e financiamentos, no total de R$ 502 milhões; variações monetárias e cambiais negativas de R$ 107 milhões, incluindo o resultado das operações com derivativos; e atualização monetária das provisões fiscais no total de R$ 90 milhões. Porém, a corretora mantém a visão de que é um bom investimento no longo prazo.

Com relação às inclusões, a Tractebel se beneficia de preços elevados no mercado à vista de energia, ao qual tem bastante exposição. Além disso, a corretora observa um baixo risco regulatório, sendo assim uma alternativa de posicionamento no setor elétrico.

No mesmo sentido, a Usiminas é considerada a representante do setor siderúrgico mais apropriada para compor o portfólio, em virtude do bom desempenho apresentado no terceiro trimestre. A equipe de analistas acredita que com a expectativa de desvalorização do real, diante das medidas adotadas pelo governo e provável estabilidade das importações de aços, a empresa deve se recuperar com maior velocidade do que as demais do setor.

FONTE: InfoMoney - 12.novembro.2010