EZTEC na Mídia

São Paulo - Pela sétima vez consecutiva, a Randon (RAPT4) foi a small cap mais citada nas carteiras recomendadas para o mês. A ação preferencial da companhia foi citada em 10 dos 37 portfólios monitorados pela InfoMoney em junho, mesmo número de recomendações recebidas no mês anterior - embora em maio o total de carteiras acompanhadas pela InfoMoney chegou a 35.

Tendo como base os papéis que compõem o SMLL (Índice de Small Caps da BM&F Bovespa), a segunda posição foi dividida pelas ações da Localiza (RENT3), EZTEC (EZTC3) e Hering (HGTX3), cada uma com cinco recomendações. No mês anterior, apenas a EZTEC havia recebido o mesmo número de recomendações - a Localiza foi lembrada em oito dos portfólios compilados em maio, ao passo que a Hering foi citada em apenas duas carteiras.

Além destas quatro, outras 43 small caps foram citadas pelos analistas. Cabe mencionar que, segundo a BM&F Bovespa, "as empresas que, em conjunto, representarem 85% do valor de mercado total da bolsa são elegíveis para participarem do índice MLCX (Mid Large Caps). As empresas que não estiverem incluídas nesse universo são elegíveis para participarem do índice SMLL. Não estão incluídas empresas emissoras de BDRs (Brazilian Depositary Receipts) e empresas em recuperação judicial ou falência".

Ao todo, 37 carteiras de bancos e corretoras foram utilizadas para este levantamento. Os portfólios selecionados foram: Amaril Franklin, Ativa, Banif, BB Investimentos, Bradesco Corretora (2 carteiras), BTG Pactual, Citigroup, Coinvalores, Credit Suisse, Fator (2 carteiras), Geração Futuro, Geral, Gradual, HSBC, Itaú BBA (carteira Top 5), Link, Magliano (2 carteiras), Omar Camargo (2 carteiras), PAX, Planner, Santander, SLW (3 carteiras), Socopa, Souza Barros, Spinelli, TOV, Um Investimentos, Walpires, WinTrade e XP (2 carteiras).

Entre todas as carteiras publicadas pela InfoMoney em junho, nesta compilação apenas não foram considerados os portfólios com sugestões de ações que tenham perspectiva de pagamento de proventos.

Randon

A aposta dos analistas sobre a Randon segue sendo sustentada pelas perspectivas favoráveis tanto para o setor em que ela atua quanto para os setores expostos à empresa. A equipe da Ativa Corretora dá ênfase ao possível aumento na demanda por camnhões no País, tendo em vista a necessidade de expansão e modernização da frota brasileira por conta dos transportes necessários para atender as obras de infraestrutura do governo.

Outro segmento que também deverá impulsionar as vendas de caminhões é o agrícola, por conta das perspectivas favoráveis para a safra brasileira em 2011 e 2012. Todo esse cenário positivo, aliás, já começa a dar seus primeiros sinais, como ressalta a Planner Corretora. "Tivemos dados recentemente divulgados de que as unidades de Santa Fé na Argentina e de Caixas do Sul estão trabalhando com alta utilização das linhas de produção, chegando a 100%", menciona a equipe da corretora em seu relatório mensal.

A Ativa também destaca outros pontos, tais como a extensão da redução do IPI (Impostos sobre Produto Industrializado) sobre veículos de transporte, bens de capital e material de construção para o final de 2011, o que deverá manter a demanda forte no mercado interno. Ademais, a corretora chama atenção para o início do Euro V a partir de 2012, o que tornará o preço dos veículos entre 10% a 20% mais caros e que pode provocar uma "antecipação da demanda no último trimestre do ano".

Resultados seguem fortes

A companhia já vem reportando um crescimento robusto em termos de vendas. Durante o primeiro trimestre do ano, a receita da Randon foi de R$ 954 milhões, número 22% superior ao que foi visto no mesmo período de 2010. Na avaliação de Luis Vallarino e Maria Jose Gonzalez Luna, analistas do Citigroup, os resultados do primeiro trimestre foram "extremamente positivos".

Além disso, o guidance de receitas com vendas divulgado pela empresa para 2011, de R$ 3,9 bilhões, foi considerado conservador pelos analistas do banco, o que pode levar o mercado a sobrepor as estimativas da companhia. Também prevendo que a estimativa da Randon possa ser superada ao final do ano, a Socopa elevou de R$ 14 para R$ 16 o preço-alvo esperado para as ações RAPT4.

Os resultados seguiram fortes em abril, período em que a Randon reportou receita líquida de R$ 362 milhões, superando em 24,9% o volume reportado no mesmo mês de 2010. Dessa forma, o volume total vendido pela empresa nos quatro meses de 2011 já soma R$ 1,316 bilhão, superando em 22,7% o montante visto no primeiro quadrimestre de 2010.

Outras recomendações

Com quatro recomendações, foram mencionadas nas carteiras de junho as ações da Eletropaulo (ELPL4), GOL (GOLL4), Light (LIGT3) e Marcopolo (POMO4). Com três votos, aparecem as ações de Marisa (AMAR3), Brookfield (BISA3), Drogasil (DROG3), Fleury (FLRY3) e Totvs (TOTS3).

Com dois votos, aparecem Banco ABC Brasil (ABCB4), Confab (CNFB4), Copasa (CSMG3), Even (EVEN3), Ferbasa (FESA4), M. Dias Branco (MDIA3), Mills (MILS3), Multiplus (MPLU3), OdontoPrev (ODPV3), OHL Brasil (OHLB3) e Valid (VLID3).

As demais ações foram citadas uma única vez nos portfólios desse mês: Anhanguera Educacional (AEDU3), Alpargatas (ALPA4), Aliansce (ALSC3), Minerva (BEEF3), BicBanco (BIBC4), B2W (BTOW3), Coelce (COCE5), Dasa (DASA3), Estácio Participações (ESTC3), Fertilizantes Heringer (FHER3), Grendene (GRND3), Iguatemi (IGTA3), JHSF (JHSF3), Klabin (KLBN4), Lupatech (LUPA3), Magnesita (MAGG3), MPX Energia (MPXE3), Paranapanema (PMAM3), Positivo (POSI3), Rossi (RSID3) e Sulamerica (SULA11).

FONTE: InfoMoney - Thiago Salomão - 15.junho.2011