EZTEC na Mídia

A EZTEC manteve, no primeiro trimestre, sua receita líquida no patamar registrado no mesmo período do ano passado, apesar de lançamentos 69,3% menores e da queda de 36% nas vendas contratadas na comparação dos dois intervalos. A receita líquida foi de R$ 185,939 milhões, ante os R$ 184,243 milhões de janeiro a março do ano passado. "No primeiro trimestre de 2011, a receita estava lastreada em volume enorme de lançamentos e vendas", compara o diretor financeiro e de Relações com Investidores da EZTEC, Emílio Fugazza.

A manutenção do patamar de receita resultou do avanço das obras, segundo o executivo. O desempenho de execução das obras aumentou 50%, contribuindo para a expansão da margem bruta de 47,3% para 50,4%. O lucro bruto cresceu 7,6%, para R$ 93,713 milhões. A geração de caixa medida pelo Ebitda subiu 6,5%, para R$ 72,656 milhões. A margem Ebitda passou de 37% para 39,1%.

Já o lucro líquido caiu 3,7%, para R$ 78,263 milhões. A principal razão foi a queda de 41,9% do resultado financeiro líquido, para R$ 11,180 milhões. A piora do resultado financeiro resultou da redução das taxas de juros e do menor volume de aplicações decorrente da destinação de parte do caixa para a compra de terrenos. O consumo de caixa também decorre do desembolso para as obras do projeto corporativo de grande porte EZ Tower, em São Paulo, que ainda não conta com financiamento.

Proporcionalmente, o resultado financeiro participou menos do lucro líquido, enquanto a parcela referente ao operacional aumentou, segundo Fugazza. "Consideramos o resultado deste trimestre um dos melhores que EZTEC já teve historicamente", afirma o executivo.

O volume mensal de execução de obras chegou a R$ 38 milhões em abril, ante R$ 32 milhões no primeiro trimestre. A EZTEC estima alcançar, no primeiro semestre, metade do ponto mínimo de R$ 1,2 bilhão, da meta de lançamentos para 2012. A combinação de avanço da execução das obras com volume maior de lançamentos e vendas previsto para os próximos trimestres deve resultar em aumento da receita e do lucro líquido, conforme o executivo.

No primeiro trimestre, a EZTEC comprou três terrenos, correspondentes a lançamentos de R$ 795,7 milhões. Sem considerar o EZTower, o banco de terrenos da companhia corresponde ao Valor Geral de Vendas (VGV) próprio de R$ 4,5 bilhões. A companhia tem áreas para os lançamentos de 2012 e 2013 e tem buscado terrenos para os projetos de 2014.

Conforme Fugazza, a empresa está aproveitando a redução da demanda por terrenos neste momento em que a maior parte das incorporadoras foca atenções na geração de caixa. O custo médio de compra de terrenos, incluindo o aumento do potencial construtivo, corresponde a 10,6% do VGV. (CQ)

FONTE: Valor Econômico - Valor Econômico - 10.maio.2012