EZTEC na Mídia

SÃO PAULO - Após a divulgação dos balanços referentes ao segundo trimestre de 2012, o Itaú BBA revisou as estimativas para as companhias do setor de construção civil brasileira.

Na avaliação dos analistas David Lawant, Enrico Trotta e Vivian Salomon, há espaço para algumas dessas empresas apresentarem melhora gradual e divulgarem fluxo de caixa positivo no segundo semestre de 2012. Contudo, para eles, essa avaliação será gradual e a visibilidade deve ser baixa neste sentido. "Portanto, o setor ainda carece de alta seletividade", ponderam.

Com isso, de maneira geral, o banco optou por reduzir em 50% as estimativas de lucro liquido para empresas de 2012 sob cobertura, principalmente por conta das reduções consideráveis nas projeções para Brookfield (BISA3) e PDG Realty (PDGR3). As duas empresas, na avaliação dos analistas do banco, devem registrar perdas no lucro líquido devido aos custos altos revelados no segundo trimestre do ano.

Desta forma, os valores justos para as ações projetados para 2013 pelos analistas são, em média, 2% menores dos projetados para este ano.

Qual o momento para aumentar exposição?

Além disso, após o recente rali, embora os analistas acreditem que o pior provavelmente já passou para a maioria das empresas, ainda é preciso esperar para aumentar a exposição às ações mais descontadas, ou seja, da Gafisa (GFSA3), Rossi (RSID3), além da Brookfield.

Para os analistas, surpreendentemente, apesar de na sua essas empresas terem registrado fraco resultado no último trimestre, elas têm mostrado recuperação nas últimas duas semanas.

Desta forma, dado o seu ambiente operacional instável, elevada alavancagem - com exceção da Brookfield, assumindo a conclusão do aumento de capital -, e as perspectivas fracas para a geração de fluxo de caixa nos próximos 12 meses (com a exceção da Gafisa), os analistas aconselham manter cautela com esse ativos.

Por um motivo diferente, ou seja, elevados múltiplos na comparação com RoE (Retorno sobre Patrimônio), o banco mantém a recomendação market-perform (em linha com a média do mercado) para as ações da Cyrela (CYRE3), embora reconheça o forte balanço patrimonial da empresa, a melhora das margens e o potencial para a geração de fluxo de caixa positivo em 2012 e 2013.

MRV e EZTEC são mantidas como top picks

Os analistas informaram ainda que apesar de não ter, em geral, os mais altos upsides, a MRV (MRVE3) e a EZTEC (EZTC3) são as companhias mais confortáveis neste período do turbulência devido a seus ambientes operacionais mais estáveis e baixa probabilidade de excesso de custos daqui para frente.

Além disso, os seus índices de alavancagem estão confortáveis na visão dos analistas, que mostram ainda expectativa de retorno acima do custo de capital ou aceleração de geração de fluxo de caixa positivo nos próximos meses.

O banco também manteve a classificação de outperform (desempenho acima da média do mercado) em Direcional (DIRR3), pois ainda espera que ela tenha vantagem em um ambiente favorável para o segmento do programa habitacional Minha Casa Minha Vida.

Por fim, foram mantidas as recomendações de outperform PDG, considerando que a Vinci Partners será capaz de adquirir uma participação significativa na empresa e ajudá-la a voltar a melhor rentabilidade e geração de fluxo de caixa livre positivo ao longo dos próximos 6 a 12 meses.

FONTE: InfoMoney - Nara Faria - 27.agosto.2012