EZTEC na Mídia

SÃO PAULO - Ações do setor de construção civil se destacam entra as altas do Ibovespa um dia após o Copom (Comitê de Política Monetária) baixar a Selic. Na última quarta-feira, o Banco Central reduziu a taxa de juro em 0,25% p.p., para 7,25%. A alta das construtoras também foi impulsionada por balanços prévios divulgados.

Entre os maiores avanços do setor, destacam-se: Gafisa (GFSA3; 5,34%, a R$ 4,35), Rossi Residencial (RSID3; 2,89%, a R$ 4,99), Brookfield (BISA3; 2,39%, a R$ 3,85), por volta das 13h45 (horário de Brasília). Pelo mesmo horário, o Ibovespa subia 1,17%. Com a Selic mais baixa, as taxas de financiamento imobiliário acabam ficando mais baratas, aumentando a demanda por imóveis.

Veja mais:

Por que o noticiário da Selic mexe tanto com as ações do setor imobiliário?

Para o analista Erick Scott, da SLW Corretora, as melhores oportunidades do setor estão na EZTEC (EZTC3, R$ 26,79, +1,40%) e na Cyrela. Segundo ele, o otimismo com a primeira se deve ao forte resultado relado na prévia. "A EZTEC tem as melhores margens e tem mostrado bom crescimento", avaliou.

Já sobre a Cyrela (CYRE3, +0,94%, a R$ 18,17), ele realça que a empresa, mesmo registrando forte evolução, continua exemplar em sua administração. Scott acrescenta que a safra de balanços das imobiliárias deverá vir com resultados divergentes em relação ao antecedente. Em relação ao próximo ano, contudo, ele não vê nenhum driver para as empresas, e diz que o crescimento poderá ser mais lento, porém, de forma sustentável.

EZTEC tem vendas 71% maiores no 3º trimestre, a R$ 276 mi

No setor imobiliário, a EZTEC fechou o terceiro trimestre com vendas contratadas de R$ 275,5 milhões, crescimento de 70,6% ante o mesmo período do ano passado. A maior parte das vendas entre julho e setembro foram de lançamento.

Ágora eleva preço-alvo de Cyrela e Brookfield

Em meio a revisões de todo o setor de construção civil, a Ágora concluiu na noite de quarta-feira (10) relatórios específicos sobre a Cyrela e a Brookfield, após anunciar no dia anterior os preços-alvo das companhias para 2013, aos R$ 24,20 e R$ 3,90, respectivamente. Para este ano, o preço-alvo de Cyrela era de R$ 26,00, enquanto o da Brookfield estava em revisão.

Apesar do preço estimado para o fim do próximo ano ser inferior ao deste para a Cyrela, o analista José Cataldo mostra otimismo com a construtora e reforça a recomendação de compra. Para ele, a empresa apresentará uma melhora gradual no ROE (Retorno Sobre Patrimônio Líquido) até 2013, diferenciando-se das demais empresas de grande porte do setor.

FONTE: InfoMoney - Tatiana Fernandes Gurjão - 11.outubro.2012