EZTEC na Mídia

SÃO PAULO -- Tive o prazer de comparecer, na quinta-feira passada, à 11ª edição do Expo Money, o maior evento de educação financeira e investimentos da América Latina. De repente, em uma, de tantas palestras que compareci, ouvi algo interessante de um analista: "A EZTEC () é a melhor ação da bolsa".

Aquilo me chamou atenção logo de cara, pois já tinha ouvido falar da qualidade desse papel, mas, logo em seguida, veio outro comentário, de um dos congressistas: "Comprei a EZTEC a R$ 1,80, porque sabia que ela chegaria facilmente aos R$ 20,00. Vendi ela aos R$ 25,32 e, apesar do lucro, me arrependo um pouco, porque ela vai chegar, fácil, a R$ 40,00".

Fiquei com aquilo na cabeça e resolvi dar uma analisada no desempenho do papel desde o seu IPO. Depois de olhar, olhar e olhar, comecei a ver uma semelhança muito grande com algum outro papel que olhei muito nos últimos dias, mas não estava conseguindo lembrar qual. Pensei em várias ações muito boas que pudessem se comparar com aquela, mas não conseguia me lembrar de jeito nenhum.

Depois de mais algum tempo, já com a pulga atrás da orelha, virei a cabeça para me espreguiçar - ou qualquer outra coisa do tipo e, de repente, me veio uma luz, de repente tudo ficou muito mais claro. Eu já sabia qual era o ativo que eu queria me lembrar. Virei o gráfico de ponta-cabeça para ter certeza e, nesse momento, bati o martelo: OGX. Claro, eu não ia lembrar nunca se não fosse a minha espreguiçada, pois eu estava pensando em ações com um bom desempenho. Nunca iria pensar que eu estava vendo alguma semelhança só porque realmente era igual, mas com a curva para o outro lado.

Assim, cheguei à seguinte conclusão: a EZTEC é uma OGX, só que ao contrário. E, partindo desse princípio, se o analista estava certo e a EZTEC é a melhor ação da bolsa de valores, a OGX é a pior. Nossa, faz cada vez mais sentido. Vamos aos fatos.

A EZTEC fez o seu IPO no dia 21 de junho de 2007, a R$ 11,00, enquanto a OGX fez o seu no dia 12 de junho de 2008, a R$ 11,31 (no preço ajustado). Ambas começaram praticamente com o mesmo valor e, por coincidência (ou não), ambas tiveram mínimas históricas muito baixas e máximas históricas muito altas. Mas, afinal, qual é a diferença então? Simples: a EZTEC começou a R$ 11,00, caiu até R$ 1,71, e depois subiu sem parar, até R$ 31,24. Enquanto isso, a sua irmã gêmea ao contrário começou a R$ 11,31, subiu até R$ 23,27, e conseguiu a "proeza" de despencar até R$ 0,30. Isso considerando as mínimas e máximas históricas de fechamento.

Se você acha que a empresa precisa ser muito boa para conseguir se recuperar a ponto de sair de R$ 1,71 e chegar a R$ 31,24, quer dizer que precisa ser muito ruim para sair de R$ 23,27 e chegar a R$ 0,30? Quem sabe.

Para ter uma ideia mais palpável, as ações da EZTEC, entre a mínima e a máxima, subiram 1726,90%, em menos de cinco anos. Já as ações da OGX, na mesma relação, caíram 98,71%, quase todo o seu valor, em menos de três anos. Do IPO da EZTEC até o seu preço máximo, a alta foi de 184%, enquanto do IPO da OGX até o seu preço mínimo, a queda foi de 97,35%.

Outra coincidência inversa que encontramos está nos fundamentos. Enquanto uma é sólida, com um lucro líquido de R$ 465 milhões, um P/VP de 2,32 e um P/L de 9,7, a outra não produz nada, está com um prejuízo líquido de mais de R$ 6 bilhões, uma dívida líquida de quase R$ 8 bilhões, um P/VP de 0,65 e um P/L de -0,23. É tudo inversamente proporcional.

Por fim, em relação ao feliz congressista, que comprou as ações da EZTEC a R$ 1,80 (no dia 21/11/2008) e vendeu-as a R$ 25,32 (no dia 24/09/2012), lucrando 1.306,67%, meus parabéns.

FONTE: InfoMoney - InfoMoney - Online - 23.setembro.2013